• 16/05/2022

Como elaborar um portfólio literário: expondo o seu trabalho

Ao contrário do que muitos pensam, escrever não é um dom. Podemos nascer com uma maior aptidão à escrita, mas é necessário muito treino, estudo e dedicação para conseguir colocar em …

Dicas para escolher um bom seguro de bike para o seu bolso

Escolher um seguro para um produto que utiliza com frequência é fundamental. Porém, ainda mais importante que escolher um é saber a maneira correta de o fazer. É por isso que …

Entenda um pouco mais sobre harmonização facial

Você já ouviu ou sabe o que é a harmonização facial? Esse é um termo que chama muita atenção ultimamente, pela promessa de um rosto que seja mais bonito e harmônico. …

A automedicação é a prática do uso de medicamentos por indivíduos (ou um membro da família do indivíduo) para tratar condições ou sintomas auto-reconhecidos ou auto-diagnosticados.  

Em geral, a prática da automedicação se aplica a qualquer doença ou condição que uma pessoa possa tratar sem a ajuda de um profissional de saúde. Isso inclui pequenas lesões ou doenças, como o resfriado comum. Infelizmente, muitas pessoas que vivem de condições de saúde mais graves, principalmente de saúde mental, recorrem à automedicação como alternativa à procura de cuidados adequados.

A automedicação está longe de ser uma prática completamente segura, principalmente no caso da automedicação não responsável. Os riscos potenciais dessa prática de incluem: 

  1. Autodiagnóstico incorreto;
  2.  Atrasos na procura de aconselhamento médico quando necessário;
  3. Reações adversas frequentes, mas graves, 
  4. Interações medicamentosas perigosas;
  5. Forma incorreta de administração e dosagem;
  6. Mascaramento de uma doença grave e risco de dependência e abuso.

Compreender as razões pelas quais alguém pode se automedicar e os riscos associados à automedicação pode ajudar a garantir que você ou seus entes queridos estejam recebendo os cuidados médicos adequados e evitando resultados potencialmente perigosos.

Automedicação e transtornos secundários

Inúmeras vezes, quando as pessoas se automedicam, é difícil determinar o que ocorreu primeiro, uma condição de saúde geral ou algum transtorno decorrente do uso de substâncias.

Perigos e riscos surgem com a automedicação quando as pessoas recorrem à mesma ao tentar tratar condições de saúde mais graves, que exigem a intervenção adequada de um profissional de saúde. Em vez de consultar um médico para receber um diagnóstico e tratamento médico adequados, muitas pessoas usam suplementos e outras substâncias, às vezes drogas e álcool, para tentar lidar com os sintomas que estão sentindo. 

Essa prática pode resultar em tratamento inadequado de sintomas e condições, bem como potencialmente causar novas condições, como transtornos por uso de substâncias ou dependência.

Os Homens se automedicam

Problemas de ereção (impotência) são muito comuns, principalmente em homens com mais de 40 anos. Geralmente não é nada para se preocupar, contudo, inúmeros homens buscam na automedicação a resolução para seus problemas sexuais. 

Entenda ser sempre importante e necessário que cada um de nós consulte um médico antes de recorrer a qualquer medicação. Como dito, a automedicação pode mascarar um sinal de um problema muito mais sério.

A maioria dos homens ocasionalmente não consegue ou mantém uma ereção. Isso normalmente é causado por estresse, cansaço, ansiedade ou consumo excessivo de álcool, e não é nada para se preocupar.

Se acontecer com mais frequência, é urgente você buscar o apoio da urologia online para tentar solucionar seu problema. Jamais faça uso de qualquer medicamento sem a recomendação de um profissional médico!!

Disfunção erétil: Viagra e outros medicamentos orais

Os medicamentos orais são frequentemente a primeira linha de tratamento para a disfunção erétil. Para a maioria dos homens que têm problemas para manter uma ereção firme o suficiente para o sexo (disfunção erétil), esses medicamentos funcionam bem e causam poucos efeitos colaterais.

Sildenafil, vardenafil (Levitra, Staxyn), tadalafil (Cialis) e avanafil (Stendra) são medicamentos orais que revertem a disfunção erétil aumentando os efeitos do óxido nítrico, um produto químico natural que seu corpo produz que relaxa os músculos do pênis. Isso aumenta o fluxo sanguíneo e permite que você tenha uma ereção em resposta à estimulação sexual.

Como os medicamentos orais diferem

Embora funcionem de maneira semelhante, cada medicamento oral tem uma composição química ligeiramente diferente. Essas pequenas diferenças afetam a maneira como cada medicamento funciona, como a rapidez com que faz efeito e desaparece e os possíveis efeitos colaterais. Seu médico considerará esses fatores, bem como outras condições que você tem e possíveis interações com outros medicamentos que você toma.

  • Sildenafila: Este medicamento é mais eficaz quando tomado com o estômago vazio uma hora antes do sexo. É eficaz por quatro a cinco horas ou mais se você tiver disfunção erétil leve a moderada.
  • Vardenafil (Levitra, Staxyn): Este medicamento também é mais eficaz quando tomado uma hora antes do sexo e pode ser tomado com ou sem alimentos. Uma refeição rica em gordura pode impedir que ela seja absorvida tão rapidamente. Vardenafil é eficaz por quatro a cinco horas ou mais se você tiver disfunção erétil leve a moderada. 
  • Tadalafil: Este medicamento é tomado com ou sem alimentos cerca de uma a duas horas antes do sexo. É eficaz por até 36 horas. Pode ser tomado em uma pequena dose diária ou em uma dose maior, conforme necessário.
  • Avanafil: Este medicamento é tomado com ou sem alimentos 30 minutos antes do sexo, dependendo da dose. Dura até seis horas.

Como esses medicamentos são igualmente eficazes, a comunidade médica internacional recomenda que a escolha seja baseada em suas preferências, incluindo custo, facilidade de uso, duração dos efeitos do medicamento e efeitos colaterais. 

Agora é importante frisar: Somente faça uso de qualquer forma medicamentosa após consultar um médico especialista. Com o atendimento personalizado e individual, através da telemedicina, o médico urologista saberá indicar o melhor tratamento para você!!

As pílulas de disfunção erétil são seguras para homens com doenças cardíacas?

Em homens sem doença cardiovascular, as pílulas para disfunção erétil são seguras. Os três rivais – Sildenafil, Cialis, Levitra e Stendra – têm efeitos colaterais semelhantes, incluindo dor de cabeça, rubor facial, congestão nasal, diarréia, dor nas costas e, em alguns usuários de Viagra ou Levitra, visão de cores temporariamente prejudicada. 

Dores de cabeça e visão azul são uma coisa, anormalidades cardíacas, outra bem diferente. As pílulas de disfunção erétil são seguras para o coração?

As pílulas de disfunção erétil são seguras para corações saudáveis, mas todos os homens com doenças cardiovasculares devem tomar precauções especiais, e alguns não podem usá-las em nenhuma circunstância. O problema é o seu efeito nas artérias. 

Todas as artérias, não apenas as do pênis, geram óxido nítrico, então qualquer artéria pode se dilatar em resposta ao Viagra, Levitra ou Cialis, fazendo com que a pressão arterial caia temporariamente em 5-8 mmHg, mesmo em homens saudáveis.

Medicamento para disfunção erétil pode reduzir risco de Alzheimer

Se você toma sildenafil para tratar disfunção erétil ou hipertensão arterial pulmonar, aqui está uma boa notícia: a pequena pílula azul ou branca também pode estar protegendo você da doença de Alzheimer. 

Pesquisadores analisaram dados de sinistros de seguros de 7,23 milhões de pessoas e descobriram que os usuários de sildenafil tinham 69% menos probabilidade de desenvolver Alzheimer em um período de seis anos do que os não usuários. A possível ligação? Como parte do estudo, os pesquisadores também examinaram células cerebrais de pacientes com Alzheimer e descobriram que os usuários de sildenafil tinham mais crescimento de células cerebrais e formação mais lenta de emaranhados neurofibrilares no cérebro, um biomarcador precoce da doença de Alzheimer.

É importante notar que os resultados mostraram apenas uma associação entre o uso de sildenafil e menor risco de Alzheimer. Estudos controlados randomizados são necessários para confirmar os achados. Mas até agora, parece que o sildenafil pode ter benefícios de saúde de longo alcance. Os resultados foram publicados online em 6 de dezembro de 2021, pela revista Nature.

Como dito desde o início deste texto, a automedicação pode trazer sérios prejuízos a sua saúde. Se você sofre de algum problema sexual, procure um médico da área. No caso um urologista. A telemedicina tem ajudado e colaborado para os homens repensarem sua rotina de cuidados com a saúde. Nada melhor que cuidar de sua saúde com profissionais capacitados.

Author

Portal de notícias e de conteúdo diferenciado para nossos leitores fieis. Seja bem vindo e tenha certeza de que o conteúdo separado para você leitor é de extrema qualidade e importância.